top of page
  • Foto do escritorAstronomia e Astronáutica

Cientistas descobrem que a Via-Láctea colidiu recentemente com outra galáxia

Nossa galáxia colidiu com muitas outras em sua vida. O telescópio espacial Gaia, da ESA, revela agora que o mais recente destes acidentes ocorreu milhares de vezes mais tarde do que pensávamos. A Via Láctea cresceu ao longo do tempo à medida que outras galáxias se aproximaram, colidiram e foram dilaceradas e consumidas por nossa galáxia. Cada colisão desencadeou rugas que ainda se espalham por diferentes famílias de estrelas, afetando como elas se movem e se comportam no espaço. Um dos objetivos de Gaia é desvendar a história da nossa galáxia estudando essas rugas – algo que está a fazer ao identificar as posições e movimentos de mais de 100 000 estrelas perto da nossa, uma pequena fração das cerca de dois bilhões de fontes que observa. "Ficamos mais enrugados à medida que envelhecemos, mas nosso trabalho revela que o oposto é verdadeiro para a Via Láctea. É uma espécie de Benjamin Button cósmico, ficando menos enrugado com o tempo", diz Thomas Donlon, do Instituto Politécnico Rensselaer e da Universidade do Alabama, em Huntsville, EUA, e principal autor do novo estudo Gaia. "Ao observar como essas rugas se dissipam ao longo do tempo, podemos rastrear quando a Via Láctea experimentou seu último grande acidente – e acontece que isso aconteceu bilhões de anos depois do que pensávamos.""Para que as rugas das estrelas sejam tão claras quanto aparecem nos dados de Gaia, elas devem ter se juntado a nós há menos de três bilhões de anos – pelo menos cinco bilhões de anos depois do que se pensava anteriormente", acrescenta a coautora Heidi Jo Newberg, também do Rensselaer Polytechnic Institute. "Novas rugas de estrelas se formam cada vez que as estrelas balançam para frente e para trás pelo centro da Via Láctea. Se eles tivessem se juntado a nós há oito bilhões de anos, haveria tantas rugas um ao lado do outro que não as veríamos mais como características separadas." A descoberta sugere que, em vez dessas estrelas originárias da antiga fusão GSE, elas devem ter vindo de um evento mais recente apelidado de Fusão Radial de Virgem, que ocorreu há menos de três bilhões de anos.


Fonte: ESA.




0 visualização0 comentário

Commenti


bottom of page